Economizar dinheiro não é uma tarefa fácil.

Em tempos de crise e com a inflação cada vez mais alta, é comum o hábito ou pelo menos o desejo em poupar dinheiro. Sabemos que fazer isso não é uma tarefa muito fácil, pois requer disciplina, determinação e muito cuidado. Aqui vão algumas dicas para ajudá-los.

A primeira dica é bastante simples. Se possível, guarde 10% de seu salário em uma aplicação financeira como a poupança. A melhor forma de fazer isso é logo que receber o seu salário, assim não corre o risco de acabar gastando este dinheiro. Depois de juntar um bom montante, você pode conversar com o gerente de seu banco sobre outras aplicações como Fundos, Tesouro Direto, Ações ou Letras de Crédito Imobiliário.

Se você acha difícil depositar 10% de seu salário na poupança, você também pode criar o costume de guardar 10% diariamente. Neste caso, a ideia é basicamente a do popular “cofrinho”, onde todo dia você pode colocar um valor e no final do mês terá economizado uma boa quantia. O ideal é colocar um valor fixo, pois se ficar variando muito o valor a pessoa pode tender a colocar cada vez menos e com isso juntar pouco dinheiro.

Uma outra dica para economizar é fazer o orçamento doméstico e analisar todos os seus custos mensais. Avalie todas as suas despesas, identifique o que é essencial e corte os supérfluos, evitando assim estourar seu orçamento e ainda ajudando você a poupar

Se quiser comprar uma casa própria, procure juntar o dinheiro e comprar o imóvel à vista. Caso isso não seja possível, pesquise bastante e opte por fazer financiamentos com o menor tempo possível, pois assim as taxas de juros também serão menores. O ideal é que se procure fazer financiamentos de no máximo 15 anos.

Por falar em casa própria, muitas pessoas têm a dúvida se é melhor comprar ou alugar uma casa. Se você já tiver dinheiro juntado, o recomendado é comprar uma casa, já o dinheiro gasto terá retorno com a valorização do imóvel. Já se você não possui dinheiro suficiente para comprar o imóvel à vista ou então para dar um bom valor de entrada, o recomendado é procurar por um imóvel com aluguel mais baixo para que assim você consiga guardar mais dinheiro até poder comprar o imóvel (ou financiá-lo em poucas vezes).

Se estiver pensando em comprar um carro, analise os gastos com financiamento, combustível, seguro, estacionamento e impostos. Após fazer toda essa análise, avalie se a compra deste carro realmente vale a pena, as vezes o custo de tudo isso acaba sendo muito mais caro do que se optarmos por outras formas de locomoção.

Caso você avalie que realmente vale a pena comprar o carro, tente optar pelo pagamento à vista, já que assim você ainda consegue negociar algum desconto pelo veículo. Caso opte por financiamento, procure dar o máximo de valor de entrada, financiando o restante em um prazo menor com juros menores.

Para os gastos diários, evite a compulsividade e corra dos cartões de crédito. As taxas estão proibitivas e o ideal é pagar tudo à vista.