Câmbio automático ou manual? Vantagens de cada um!

O sistema de transmissão de um carro é composto por volante, embreagem, eixo de transmissão, do diferencial (quando necessário) e caixa de câmbio. Este último, permite que o motor forneça força motriz apropriada às rodas de acordo com cada necessidade.

Como é uma das peças mais importantes do carro (além do motor) e devido às diferentes opções disponíveis no mercado, muitas pessoas ficam na dúvida de qual tipo de câmbio escolher na hora da compra. Todos possuem vantagens e desvantagens.

Abaixo, seguem mais informações sobre cada um:

Câmbio manual: transmite mais esportividade, é melhor nas ultrapassagens e há grande oferta de peças de reposição. Apesar de possui manutenção mais em conta, quando mal usado, exige mais manutenção do que outros tipos de transmissão. Também exige mais do condutor (é mais cansativo) e o uso incorreto das marchas pode ocasionar aumento de consumo, queima da embreagem e prejuízo ao motor. Ideal para pessoas que moram em lugares onde não há muito congestionamento e que têm prazer em dirigir.

Câmbio automatizado: é uma opção mais em conta que a transmissão automática, fica no meio do caminho entre o câmbio manual e o automático. É voltado para carros compactos e médios, onde não há aumento de consumo e nem perda de potência. São câmbios manuais porém, a embreagem é acionada por comando eletrônico dispensando o pedal de embreagem. O condutor tem total autonomia na escolha da marcha que será utilizada. Uma das principais reclamações dos proprietários de veículos com esse tipo de câmbio são os famosos trancos. Ele também não rende muito nas subidas, principalmente quando está cheio. Vale lembrar que ele é automatizado e não automático. Em veículos de luxo, com transmissão automatizada, há ainda a opção de sistema de dupla embreagem. É o preferido de muitas pessoas por transmitir conforto e esportividade ao mesmo tempo.

    Câmbio automático: possui maior durabilidade, é mais confortável e seguro. Por outro lado, a manutenção é mais cara e o gasto de combustível é maior do que a transmissão manual e automatizada. Na ladeira, o carro pode ser retido acionando apenas o acelerador (ele não desce, o que melhora a vida de muitos condutores). Exige troca periódica do filtro e do óleo do câmbio, além de mão de obra especializada.

    CVT: ao invés de engrenagens são usadas polias que tornam a troca de marcha imperceptível e o torque do motor é melhor aproveitado. Proporciona conforto e desempenho. É a transmissão com o custo mais alto. Também é necessário a troca regular do filtro e óleo do câmbio.

A escolha do tipo de câmbio ideal dependerá da preferência de cada condutor e do dinheiro disponível para a manutenção. Se você pensa em trocar o câmbio do seu carro (seja de manual para automático ou vice-versa) saiba que não vale à pena. O custo sairia muito alto e poderiam ocorrer problemas futuros. O melhor nesse caso é trocar de carro.